O Arco-íris Invisível: Uma História de Eletricidade e Vida (2017) por Arthur Firstenberg – Resumo Informativo The Invisible Rainbow: A History of Electricity and Life

Ligação ao livro

1 Introdução

1.1    Sobre o autor

Arthur Firstenberg é um cientista e jornalista que está na vanguarda de um movimento global para demolir o tabu sobre esse assunto. Depois de se graduar Phi Betta Kappa pela Universidade de Cornell com graduação em matemática, ele frequentou a Universidade da Califórnia, Escola de Medicina Irvine de 1978 a 1982. Lesão por overdose de raio-X abreviou sua carreira médica. Pelos últimos trinta e sete anos ele tem sido um pesquisador, consultor e palestrante sobre os efeitos da radiação eletromagnética na saúde e no ambiente, bem como um praticante de diversas artes curativas.

1.2    Sobre o livro

Este livro notavelmente bem documentado e referenciado é uma pedra angular no sentido de que rastreia a aplicação da eletricidade na nossa civilização, em termos de sua interação com os organismos vivos, de sua descoberta inicial nos anos de 1740 chegando até o nosso tempo, e até projetada no futuro. Deve-se notar que o título refere-se ao espectro eletromagnético inteiro, abrangendo as cores do arco-íris, incluindo as frequências invisíveis como as frequências de rádio e os campos gerados em torno de fios condutores.

1. Parte 1    Do comecinho …

1.    Capturada em uma garrafa

1746 viu as primeiras descobertas envolvendo eletricidade na Europa. O experimento de Leyden consistia em revelar o fluido elétrico por meio de esfregar a mão em um globo de vidro girando rapidamente em seu eixo. A eletricidade estática então produzida causou uma grande impressão nas escolas, feiras e em pessoas privadas que tinham os meios financeiros para adquirir esse dispositivo, com alguns produzindo arcos elétricos e outros, breves choques elétricos. O fenômeno era tão popular que não era socialmente aceitável sugerir que a eletricidade podia ser perigosa, mesmo que os choques causassem dores de cabeça, hemorragias nasais e fadiga em certos experimentadores e em animais utilizados nos testes. A sociedade foi tomada pela eletromania e os mais fervorosos expoentes de receberem eletrochoque em boa companhia entre dois copos de champanhe começaram a perceber sintomas danosos. A despeito disso, os estabelecimentos médicos se equiparam com o frasco de Leyden (o precursor do condensador) para o propósito de executarem experimentos médicos para abortos e outras aplicações.

Nesse sentido, um campo de conhecimento completamente novo emergiu a respeito dos efeitos biológicos da eletricidade nas pessoas, plantas e animais – conhecimento que era então muito mais extenso do que aquele de nossos médicos contemporâneos, que diariamente veem paciente sofrendo dos efeitos da eletricidade sem reconhecê-los pelo que eles são, e que são geralmente ignorantes da própria existência desse conhecimento.

2.    O Surdo a Ouvir e o Aleijado a Andar

Notando os – raramente positivos e, muito mais frequentemente, negativos – efeitos da aplicação de voltagem elétrica em organismos vivos, os pesquisadores e médicos concluíram que organismos vivos funcionam em conjunção com a eletricidade. Certas curas foram promovidas usando eletricidade – como por exemplo em 1851, quando o neurologista Duchenne tratou surdez em dúzias de pacientes por meio de impulsos elétricos aplicados localmente. Experimentos foram realizados – particularmente por Volta na Itália, assim como outros pesquisadores no mundo ocidental – os quais encontraram evidência que os sistemas nervoso, cardíaco, cardiovascular, gustatório, sudatório e outros sistemas podiam ser estimulados usando a eletricidade produzida por pares galvânicos. Foi descoberto que o número de efeitos curativos eram significativamente menores que os efeitos danosos que foram listados, que incluem os sintomas de eletro-sensibilidade (ES) conhecidos hoje, tais como dores de cabeça, tontura, náusea, confusão mental, fadiga, depressão, insônia etc.

3.    Sensibilidade elétrica

O botânico francês Thomas-François Dalibard – que realizou experimentos elétricos em organismos vivos – confidenciou em uma carta para Benjamin Franklin data de 1762 que ele era incapaz de continuar seu trabalho já que seu organismo tinha desenvolvido uma intolerância à eletricidade. Ele foi uma das primeiras pessoas a serem oficialmente declaradas eletro-hipersensíveis (EHS). Lendo aquele relato, está claro que esse
botânico deve ter sido severamente afetado. Outros professores e pesquisadores tiveram a mesma experiência infeliz e foram então forçados a pararem seu trabalho. Mesmo o famoso Benjamin Franklin foi afetado por uma doença neurológica durante suas pesquisas sobre eletricidade de 1973 em diante e os sintomas são em grande
parte reminiscentes de eletro-hipersensibilidade. Tanto que ao final do século XVIII era em geral reconhecido que a eletricidade podia tornar as pessoas doentes, dependendo do sexo, a morfologia e a condição física do indivíduo em questão. De forma similar havia sido observado que certos indivíduos reagiam fortemente a mudanças no tempo, que se correlacionavam com frequência com mudanças elétricas na atmosfera. Os nomes
de alguns daqueles indivíduos ainda são famosos hoje – entre eles, Cristóvão Colombo, Dante, Charles Darwin, Benjamin Franklin, Goethe, Victor Hugo, Leonardo da Vinci, Martinho Lutero, Miquelângelo, Mozart, Napoleão, Rousseau e Voltaire.

4.    A Estrada Não Tomada

Durante os anos de 1790, a ciência se deparou com uma crise de identidade em relação à interpretação e unificação dos quatro diferentes fluidos – eletricidade, luz, magnetismo e calor. No que dizia respeito à eletricidade, de um lado havia Luigi Galvani, que considerava eletricidade como uma parte integral do organismo vivo, e de outro a teoria de Volta que a eletricidade era apenas um efeito “secundário” de reações
químicas internas no organismo vivo. Volta, o inventor da extremamente útil bateria elétrica, que tinha o potencial de se tornar uma grande mina de ouro, sucedeu em ganhar o debate contra a visão mais global da interação entre eletricidade e o organismo vivo.

5.    Doença Crônica Elétrica

Do final do século XIX para frente, paisagens urbanas foram transformadas pela instalação de linhas de telégrafo pelos países industrializados. Essa tecnologia usava voltagens da ordem de 80 volts em um único condutor, com a corrente de retorno sendo aterrada.
Aquele período viu a emergência das primeiras correntes dissipadas às quais os organismos vivos foram expostos. Foi então que se viu que a aparição de doenças da civilização tais como neurastenia, que afligiu Frank Lloyd Wright e Theodore Roosevelt, entre outras figuras conhecidas. Deve-se observar de passagem que a neurastenia é muito semelhante à eletro-hipersensibilidade, que é o termo mais moderno para a mesma sensibilidade à eletricidade.
Aproximadamente metade dos telegrafistas que foram empregados para manipularem a correnteelétrica enviada pelas linhas, e foram, pois, expostos a campos eletromagnéticos muito fortes, foram atingidos pela doença telegráfica. Mais uma vez, os sintomas eram os mesmos daqueles da EHS. Mais tarde, em por volta de 1915, foram os operadores de telefone que estiveram experimentando os mesmos sintomas – pois eles estavam expostos a campos eletromagnéticos das comunicações por horas a fio em suas mesas. Em 1989, notou-se que em Winnipeg 47% dos operadores de telefone estavam sofrendo dos mesmos sintomas. Entretanto, em 1894, o reconhecido psiquiatra vienense Sigmund Freud escreveu um artigo cujo efeito foi desastroso para todos os infelizes que sofreram de doença telegráfica, neurastenia, síndrome de microonda ou EHS. Ao invés de olhar a causa externa – que era poluição eletromagnética – ele atribuiu esses sintomas a
pensamentos desordenados ou emoções mal controladas. Como resultado, hoje milhões de cidadãos afetados por poluição elétrica estão sendo medicadas ao invés de reduzir sua exposição a essa poluição. Sigmund Freud renomeou a neurastenia – que se conhecia ser causada por eletricidade – como ansiedade neurótica, um ataque de ansiedade ou um ataque de pânico. Isso abriu caminho para a implantação irresponsável da eletrificação continuar desimpedida Deve-se observar que na Rússia neurastenia é listada como uma doença ambiental, já que a redefinição prejudicial de Freud foi rejeitada lá.O Arco-íris Invisível – Resumo Informativo

6.    O Comportamento das Plantas

O Senhor Jagadish Chandra Bose e outros pesquisadores conduziram numerosos experimentos elétricos em plantas e outros organismos vivos, cujos resultados mostraram efeitos claros. Ele descobriu que os nervos das plantas ou animais mostram comportamento variável e que sua resistividade pode variar consideravelmente, dependendo da aplicação da corrente e sua polaridade. Ele também observou que a
intensidade da corrente necessária para modificar a condutividade dos nervos é infinitesimal em termos da voltagem aplicada – algo na ordem de 0.3 microamperes (0.3*10 ̅6). Essa corrente é significativamente menor que a corrente que é induzida em uma conversa de telefone usando um telefone celular. Bose da mesma forma
descobriu que o limiar da bioatividade de uma corrente é 1 femtoampere (1*10 ̅15)! Como esse pesquisador também era familiarizado com transmissões por frequência de rádio, ele realizou um experimento no qual uma planta foi exposta a um sinal de rádio de 30 MHz a uma distância de aproximadamente 218 jardas (200 metros)
e descobriu que o crescimento da planta foi retardado durante o período de emissão. Ele também mostrou que a circulação de seiva na planta desacelerava quanto era irradiada pelo mesmo sinal de rádio.

7.    Doença Aguda Elétrica

Durante os anos de 1880, Londres foi abastecida com corrente direta, mas certos físicos descobriram que a distribuição de corrente alternada gerava menos perdas ôhmicas nos fios. Daí se seguiu uma batalha das correntes, apesar de muitos cientistas, incluindo Edison, criticarem fortemente os efeitos mais perigosos da corrente alternada. Ironicamente, é precisamente porque a corrente alternada é mais danosa que ela é
utilizada na cadeira elétrica. E como todos sabem, a corrente elétrica da rede de força é… alternada! Em 1889, a eletrificação em larga escala foi empregada nos EUA e, pouco tempo depois, na Europa. Naquele mesmo ano, como se por acaso, médicos foram inundados com casos de gripe, os quais tinham até então aparecido apenas infrequentemente. Os sintomas das vítimas eram bem mais neurológicos em natureza,
lembrando a neurastenia, e não incluíam desordens respiratórias. A pandemia durou por quatro anos e matou pelo menos um milhão de pessoas.
Em 2001, o astrônomo canadense Ken Tapping mostrou que as pandemias de gripe pelos três séculos anteriores se correlacionaram com picos na atividade magnética solar, dentro de um ciclo de 11 anos. Também foi descoberto que alguns surtos de gripe se espalharam por áreas enormes em alguns dias apenas – um fato que é difícil de explicar por contágio de uma pessoa para outra. Da mesma forma, numerosos experimentos
procurando provar contágio direto pelo contato próximo, gotículas de muco ou outros processos se provaram infrutíferos.
De 1933 até os dias de hoje, virologistas tem sido incapazes de mostrar qualquer estudo experimental provando que a gripe espalha através de contato normal entre as pessoas. Todas as tentativas para fazê-lo fracassaram.

8.    Mistério na Ilha de Wight

Em 1904, abelhas começaram a morrer na Ilha de Wight seguido da instalação de transmissores de rádio por Marconi. Estes transmissores trabalham com frequências próximas do nível de mega-hertz. Do outro lado do Canal, Jacques-Arsène d’Arsonval mostrou que sinais eletromagnéticos “nítidos e enganchados” são bem mais tóxicos que sinais sinusoidais.
A verdade era que, depois de um ano e meio com transmissores de rádio em saúde plena com 22 anos de idade, Marconi começou a contrair febres. Esses ataques continuaram pelo resto de sua vida. Em 1904, enquanto trabalhava instalando um transmissor poderoso o suficiente para comunicações transatlânticas, essas febres se tornaram tão intensas que se pensou serem malária. Em 1905, ele casou-se com Beatrice
O ́Brien e depois de sua lua-de-mel, eles se estabeleceram na ilha perto de um transmissor. Assim que Beatrice tinha se instalado, ela começou a reclamar de zumbido. Depois de três meses, ela caiu doente com icterícia severa. Ela teve que retornar para Londres para dar à luz um bebê que viveu apenas por algumas semanas e
morreu de “causas desconhecidas”. Durante o mesmo período, Marconi passou vários meses sofrendo de febre e delírio. Entre 1918 e 1921, ele sofreu depressão suicida enquanto trabalhava em um transmissor de ondas curtas. Em 1927, durante sua lua de mel de seu segundo casamento, ele colapsou com dor no peito e foi diagnosticado com desordens cardíacas sérias. Entre 1934 e 1937, enquanto ele estava desenvolvendo
tecnologia micro-ondas, ele teve nove ataques cardíacos – o final matando-o com 63 anos de idade.
Na mesma ilha, na Casa Osbourne, a Rainha Vitória sofreu hemorragias cerebrais e morreu na tarde de 22 de janeiro de 1901, no momento em que Marconi estava colocando um novo transmissor em operação distante menos de 13 milhas.
Em 1901 havia “somente” dois transmissores, enquanto em 1904 haviam quatro, tornando a ilha o local mais irradiado do planeta, deixando as abelhas sem espaço para sobrevivência. Em 1906, uma pesquisa revelou que 90% das abelhas tinham desaparecido completamente sem razão aparente. Novas colônias foram trazidas
para a ilha, mas estas morreram da mesma forma dentro de uma semana.
Essa epidemia se espalhou pela Inglaterra e daí pelo mundo ocidental, e então se estabilizou gradualmente, até que os exércitos se equiparam com vários transmissores de rádio de alta potência lá pelo fim da Primeira Guerra Mundial – disparando (assim como vimos) a pandemia da Gripe Espanhola em 1918, que na verdade começou nos Estados Unidos, na Escola Naval de Rádio de Cambridge, Massachussetts, com
400 casos iniciais. Essa epidemia rapidamente se espalhou para 1.127 soldados em Camp Funston (Kansas), onde conexões sem fio tinham sido instaladas. O que intrigou os médicos foi que enquanto 15% da população civil estava sofrendo de hemorragias nasais, 40% da Marinha sofriam deles. Outros sangramentos também ocorriam, e um terço daqueles que morreram foi devido à hemorragia interna de pulmões ou cérebro. Na verdade, foi a composição do sangue que tinha sido alterada, já que o tempo de coagulação medido era mais que duas vezes mais demorado que o normal. Esses sintomas são incompatíveis com os efeitos dos vírus respiratórios gripais, mas totalmente consistentes com os efeitos devastadores da eletricidade. Uma outra
incongruência foi que dois terços das vítimas eram pessoas jovens saudáveis. Mais um sintoma de gripe atípico foi que o pulso diminuía para taxas entre 36 e 48, enquanto isso é um resultado comum de exposição a campos eletromagnéticos. Além disso, foi possível tratar com sucesso alguns sofredores com doses massivas de cálcio.
O médico militar Dr. George A. Soper testemunhou que o vírus estava espalhando mais rápido que o movimento das pessoas. Vários experimentos foram conduzidos tentando contagiar sujeitos seja por contato direto ou por inoculação com muco ou sangue – mas os experimentadores não foram capazes de demonstrar qualquer infecção por esse meio.
Pode ser visto que cada nova pandemia de gripe corresponde a um novo avanço em tecnologia elétrica, tal como a gripe asiática de 1957-58, seguido da instalação de um poderoso sistema de vigilância por radar, e o surto da gripe de Hong Kong de julho de 1968 em diante, seguido do comissionamento de 28 satélites militares para vigilância espacial na altitude dos cinturões de Van Allen, que nos protege da radiação cósmica.

9.    O Envelope Elétrico da Terra

Com um núcleo consistindo principalmente de ferro, a Terra girando está primariamente protegida pela ionosfera, daí a esfera de plasma – delimitada pelos cinturões de radiação de Van Allen a uma altitude entre 1.000 e 55.000 Km – e por sua cauda: a magnetosfera, que está exposta a ventos solares originando de nosso sol e constitui um tipo de dínamo, um sistema elétrico complexo. As trocas de eletricidade entre a crosta da Terra, a atmosfera e mesmo a ionosfera são permanentes e constantes. Eles estão em um equilíbrio delicado, e um tipo de “respiração” elétrica do sistema todo permitiu a vida desenvolver em nosso planeta, que está carregado com íons negativos, equilibrado pela ionosfera positivamente carregada. Um campo elétrico vertical médio da ordem de 130 volts por metro pode ser observado, com valores que podem, por exemplo, subir para
4.000 volts por metro durante tempestades. Em 1953, um dos parâmetros fundamentais dessa oscilação elétrica do nosso ambiente foi descoberta, na forma de frequências de (Winfried) Schumann, que “respiram” a 7.83 hertz, com harmônicos a 14, 20, 26, 32 Hz, chamadas frequências muito baixas (FMB).
Não é surpresa que organismos vivendo nesse ambiente são imbuídos com esses atributos físicos e que, por exemplo, nossos ritmos cerebrais ficam dentro dessas faixas de frequência – como o ritmo alfa, que fica entre 8 e 13 Hz. Enquanto nós percebemos as frequências visíveis – indo do azul ao vermelho – do espectro eletromagnético, alguns animais são capazes de ver outras frequências eletromagnéticas – como abelhas, que
podem ver frequências ultravioleta, ou aquelas salamandras ou bagres, que podem ver as frequências elétricas baixas, enquanto cobras são capazes de enxergar frequências infravermelhas.
Experimentos de laboratório em hamsters, por exemplo, mostraram que diminuir a temperatura e encurtar a duração da luz do dia não foi suficiente para colocá-los em hibernação. De modo similar, hamsters criados em caixas de Faraday se recusaram a hibernar, mesmo que os parâmetros de luz e temperatura correspondessem àqueles do inverno, até que a proteção de Faraday fosse removida. Outros experimentos foram conduzidos, tais como o que foi realizado no Instituto Max Planck em 1967 pelo fisiologista Rütger Wever, utilizando duas salas enterradas sem janelas ou contato externo – uma blindada de campos eletromagnéticos naturais, a outra não. Foi mostrado que na câmara blindada os ciclos circadianos dos voluntários se tornaram dessincronizados e podiam variar entre 12 e 65 horas, acompanhados por desordens
metabólicas, enquanto os sujeitos na câmara imersos nos campos da Terra mantiveram um ritmo coerente de aproximadamente 24 horas e seu metabolismo continuou a funcionar mais normalmente. Foi cientificamente demonstrado que um organismo vivo precisa estar banhado no sistema eletromagnético de nosso ambiente
natural para que funcione bem.
Além do mais, a acupuntura, o antigo método utilizado na Medicina Tradicional Chinesa, funciona ao utilizar nossas próprias propriedades elétricas e modificando o fluxo de energia dos meridianos. É conhecido já há algum tempo (desde os anos 50) que esses meridianos na verdade correspondem a circuitos elétricos e que o Qi chinês corresponde ao conceito de eletricidade. Esses meridianos servem a duas funções: eles não só
transportam informação e energia internamente de um órgão do corpo para outro, mas também servem como antenas para capturar o fluxo de energia eletromagnética ambiental.
No começo dos anos de 1970, físicos atmosféricos descobriram que o campo magnético da Terra era significativamente perturbado pela atividade elétrica do homem. Ao introduzir um sinal no espaço e capturar seu eco, foi estabelecido que o sinal inicial tinha de fato sido modificado pelas múltiplas redes de força de 60 Hz utilizadas na América do Norte.
No entanto, essa descoberta não preveniu o projeto HAARP de ser lançado para modificar deliberadamente as propriedades eletromagnéticas de nosso planeta.
De modo similar, os cinturões de Van Allen que nos protegem dos raios cósmicos já foram alterados pela nossa atividade elétrica – e pode ser que esses duplos cinturões foram originalmente apenas um único cinturão, sob a influência da emissão pelo homem de cargas elétricas no espaço, foi esgotada em seu centro.
Observações de satélite mostram que a radiação emitida por linhas de alta voltagem frequentemente tem o efeito de suprimir a radiação natural do relâmpago.
À luz desse fato, é lógico concluir que as pandemias de gripe de décadas recentes estão ligadas à atividade elétrica humana.

10.    Porfirinas e a Base da Vida

Qualquer transformação de energia no domínio biológico envolve porfirinas [pigmentos criados a partir de quatro moléculas de pirroles]. O fato de que nossos nervos são capazes de funcionar propriamente é graças em parte às porfirinas, as quais desempenham um papel em nossos processos celulares. Estas são moléculas
especiais que funcionam como a interface entre oxigênio e vida. Essas moléculas são altamente reativas e interagem com metais tóxicos ou elementos sintéticos derivados de petróleo, e com campos eletromagnéticos – que, em excesso, causam porfiria, que é mais uma sensibilidade ambiental do que uma doença.
A pesquisa de Dr. William E. Morton mostrou que 90% das pessoas com sensibilidade química múltipla (SQM) são deficientes em uma forma ou outra de enzima da porfirina, como são os indivíduos eletro-hipersensíveis – que significa que as duas formas de sensibilidade são apenas diferentes manifestações, com uma e a mesma causa. Porfiria, que foi descoberta em 1891, aflige aproximadamente 10% da população de
hoje e apareceu primeiro ao mesmo tempo que a eletrificação geral do mundo ocidental de 1889 para frente.
Porfirinas são centrais para os efeitos da poluição eletrônica, porque elas não só causam EHS, SQM ou porfiria, mas também doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, já que estão envolvidas em uma variedade de processos biológicos energéticos.
Nos anos 1960, os biólogos Allan Frey e Wlodzimierz Sedlak mostraram que nossos organismos definitivamente tem um componente bioelétrico, e que algumas das nossas células às vezes se comportam como condutores ou capacitores ou semi-condutores (transistores), como os componentes que nós encontramos em nossos aparelhos elétricos. Esse é o caso com a mielina – a bainha que cobre nossos nervos – que contém porfirina unida ao zinco. Caso venenos ambientais como produtos químicos ou metais tóxicos
afetem esse equilíbrio, a bainha de mielina será danificada, o que altera a excitabilidade dos nervos que ela envolve. O sistema nervoso inteiro então se torna hiper-responsivo a estímulos de todos os tipos, tais como campos eletromagnéticos. O sistema entra em um estado de instabilidade divergente, o efeito tornando-se a causa.
Contrário à visão de que mitocôndrias são os elementos de nossas células que produzem energia, o conceito da bainha de mielina como sendo uma mitocôndria gigante está começando a ganhar crédito.
A conexão entre porfiria e zinco foi descoberta nos anos 1950 por Henry Peters, na Escola de Medicina de Wisconsin. Pacientes sofrendo de porfiria e sintomas neurológicos estavam excretando uma grande quantidade de zinco em sua urina, o que os levou à ideia de que a quelação do zinco poderia melhorar a condição deles. Ele viu de fato uma melhora, apesar da crença generalizada que a deficiência de zinco está
relacionada àquelas desordens específicas. De forma similar, certos experimentos mostraram que a quelação de zinco melhora a doença de Alzheimer. Uma equipe médica australiana demonstrou em autópsias que os cérebros de pacientes com doença de Alzheimer continham duas vezes mais zinco do que daqueles de pacientes saudáveis.

2. Parte 2    … até os dias de hoje

11.    Coração Irritável

Em 1980, parada cardíaca em jovens atletas era raro, com apenas nove casos por ano. Desde então, casos cresceram consistentemente a 10% por ano até 1996, quando a taxa subitamente dobrou para 64 casos, aumentando para 66 no ano seguinte e 76 no último ano do estudo. A comunidade médica americana não pôde encontrar explicação para isso, enquanto na Europa em 2002 físicos ambientais alemães lançaram um
apelo clamando por uma moratória de antenas e torres de celular, já que as ondas que eles estavam emitindo estavam causando desordens cardiovasculares. Este foi o Apelo de Freiburg.
Dr. Samuel Milham, um epidemiologista no Departamento de Saúde do Estado de Washington, mostrou através de seu trabalho que doença cardiovascular, diabetes e câncer são em grande parte, se não inteiramente, causados por eletricidade.
Paradoxalmente, estudos de colesterol datando do começo do século XX não mostravam que níveis de colesterol se correlacionavam com um maior risco de doença cardíaca – contrário ao que é comumente considerado como fato hoje em dia. Um estudo de animais no Zoológico de Filadélfia mostrou, que de 1916 a 1964, níveis de colesterol em mamíferos e pássaros aumentou a um fator de entre 10 e 20, mesmo que sua
dieta tivesse permanecido completamente não modificada! O único parâmetro que tinha mudado dramaticamente foi o aumento nas frequências de rádio.
Durante a Segunda Guerra Mundial, vários soldados reclamaram de sintomas similares àqueles da neurastenia. Inicialmente acreditou-se, de acordo com a doutrina de Freud, que esses soldados estavam sofrendo de problemas de ansiedade: entretanto, um estudo de 144 casos foi então conduzido pelo Dr. Mandel Cohen. Esse estudo revelou que os soldados estavam na verdade fisiologicamente menos resistentes e sofriam
de coração irritável. Eles tinham dificuldade em assimilar oxigênio e tinham que respirar duas vezes mais rápido que seus companheiros com melhor saúde para que conseguissem oxigênio suficiente. Apareceu que suas mitocôndrias não estavam funcionando eficientemente. No final, o estudo mostrou que esses soldados
eram hipersensíveis em um sentido geral, mas particularmente a eletricidade.
Dos anos 1950 em diante, cientistas na União Soviética também observaram que frequências de rádio alteravam os eletrocardiogramas de indivíduos a eles expostos, já que eles modificavam a eficiência mitocondrial.
Gráficos mostrando a estatística para taxas de mortalidade de doença cardíaca divididos pelo grau de eletrificação dos estados americanos em 1931 e 1940 também são bem explícitos e não deixam dúvida quanto à toxicidade dos campos eletromagnéticos para o coração, assim eliminando colesterol e dietas consideradas muito altas em gordura.

12.    A Transformação da Diabetes

Thomas Edison, que foi envolvido em descobertas relacionadas à tecnologia elétrica e foi
consequentemente exposto a campos eletromagnéticos a um grau muito maior do que seus concidadãos da época, foi diagnosticado com diabetes – uma doença que era muito rara em 1889. Um outro pesquisador, Alexander Graham Bell, que trabalhou na área da telegrafia e inventou o telefone, era conhecido por constantemente reclamar dos sintomas da neurastenia, conhecida por EHS hoje. Em 1915, ele também foi
diagnosticado com diabetes. Em 1876, o livro Doenças da Vida Moderna por Ward Richardson descrevia diabetes como uma rara doença moderna causada por exaustão mental devido à sobrecarga de trabalhou por um choque no sistema nervoso.
O consumo excessivo de açúcar tóxico, viciante em nossa dieta moderna naturalmente provê uma explicação conveniente de por que a diabetes, incluindo pré-diabetes, afeta mais que metade de todos os americanos hoje. Entretanto, essa explicação é muito simplista.
O Dr. Even Joslin mostrou que entre 1900 e 1917 o consumo de açúcar tinha aumentado 17%, enquanto a mortalidade para diabetes tinha dobrado. Mais tarde, em 1987, um estudo dos americanos nativos mostrou de forma radical diferentes taxas de morte para diabetes, dependendo do território, variando de 7 por mil no noroeste a 380 por mil no Arizona! Durante aqueles anos, nem o modo de vida nem a dieta poderiam explicar
uma divergência assim. Um fator ambiental, no entanto, pode de fato explicar tamanha diferença: a eletrificação das reservas indígenas americanas procedia a diferentes velocidades, e aqueles no noroeste só foram eletrificados muito mais tarde. Em contraste, a reserva do Arizona fica na vizinhança imediata de Phoenix. Além do mais, essa comunidade nativa americana tinha sua própria estação de força e seu próprio
sistema de telecomunicações.
Um outro exemplo é a população do Brasil – um fundamental produtor de açúcar por séculos, onde a diabetes era desconhecida ainda em 1870, depois que ela emergiu como uma doença da civilização na América do Norte. Mesmo hoje, brasileiros consomem 70 kg de açúcar refinado por ano e por pessoa – mais do que os norte-americanos: e ainda eles têm duas vezes e meia menos casos de diabetes que os EUA.
No Butão, a diabetes era praticamente não existente até 2002, depois do que a eletrificação do país começou. Em 2004, 634 novos casos de diabetes foram anunciados, em 2005 – 944, em 2006 – 1.470, e em 2007 – 2.540, com 15 mortes. Em 2012, houve 91 mortes e a diabetes era a oitava causa de morte no país, apesar da dieta da população não ter mudado!
Como nós vimos no capítulo anterior, a poluição eletrônica na mitocôndria evita o uso eficiente do açúcar absorvido – ou seja, a combustão do açúcar. O açúcar que não pode ser convertido em energia mecânica é armazenado como gordura pelo corpo.
Gráficos estatísticos para taxas de mortalidade da diabetes, subdivididos pelo grau de eletrificação dos estados americanos em 1931 e 1940, também são muito explícitos e não deixam dúvida quanto ao papel desempenhado pelos campos eletromagnéticos na aparição da diabetes em larga escala, assim eliminando o consumo de açúcar até certo ponto.
Em 1997, houve um aumento de 31% no número de casos de diabetes nos Estados Unidos em um único ano, que se correlacionou com a introdução em massa de telefones celulares no país.

13.    Câncer e a Fome da Vida

Em fevereiro de 2011, a Suprema Corte da Itália acusou o cardeal Roberto Tucci, o extrovertido presidente da Rádio Vaticano, de ter criado uma perturbação pública ao poluir o ambiente com frequências de rádio por negligência. De fato, no período de 1997 a 2003 as crianças vivendo dentro de um raio de 12 Km de antenas de rádio tiveram uma taxa oito vezes maior de leucemia, linfoma e melanoma do que aquelas que
viviam mais longe. O mesmo permaneceu verdade para adultos, com uma taxa sete vezes maior.
O médico e professor alemão Otto Heinrich Warburg, vencedor do Prêmio Nobel da Medicina em 1931, mostrou que o câncer é uma regressão de células privadas de oxigênio, o que as leva a se multiplicarem anarquicamente, como em um mundo primevo onde o oxigênio não estava presente ao ponto em que está hoje. A privação de oxigênio inicial é devida a um mal funcionamento da mitocôndria, que, como vimos, pode ser causado por campos eletromagnéticos ou outros poluentes, como fumaça, pesticidas, aditivos na comida e poluição do ar. O mesmo princípio de deficiência no oxigênio celular se aplica à diabetes, e é por isso que existe uma maior taxa de câncer entre diabéticos do que no resto da população.
No Zoológico de Filadélfia, de 1901 a 1955, um aumento na taxa de tumores malignos foi notado em mamíferos, variando de duas a 22 vezes mais entre aquelas datas.
Estatísticas de morte por câncer mostram uma correlação clara entre a eletrificação de países e taxas de câncer. Por exemplo, nos EUA, a taxa era 6.6 por mil de 1841 a 1850. Subsequentemente ela mais que dobrou de 1851 a 1860, com uma taxa de 14 por mil. A explicação verdadeira para isso pode ser encontrada na instalação em massa do telégrafo em 1854.
Em 1914, havia duas mortes por câncer entre os 63.000 americanos nativos vivendo em reservas sem eletrificação, enquanto no resto do país a taxa de mortalidade por câncer era 25 vezes maior.
Entre 1920 e 1921, seguindo a introdução das primeiras estações de rádio AM, a mortalidade por câncer aumentou em de 3 a 10% em países ocidentais.
Os pesquisadores suecos Olle Johansson e Orjan Hallberg mostraram uma clara correlação entre taxas de câncer de pulmão, mama e próstata e a exposição da população a frequências de rádio. Eles apontam para um aumento significativo nas taxas em 1920, 1955, 1969 e uma diminuição (!) em 1978, correspondendo respectivamente ao aumento na poluição da frequência de rádio devido à introdução da rádio AM, rádio FM e TV1, a chegada da TV2 a cores, e então a cessação das transmissões de rádio AM. Esses mesmo pesquisadores da mesma forma encontraram uma correlação linear muito clara entre o número de transmissores de rádio FM por região e a incidência de melanomas, com as localizações expostas tendo 11 vezes mais melanomas que as “zonas brancas”. Eles também encontraram que melanomas raramente aparecem naquelas áreas do corpo mais expostas ao sol, tais como a testa, nariz, ombros e pés, mas mais frequentemente naquelas áreas do corpo geralmente protegidas do sol. Além do mais, a proliferação de câncer de pele ocorreu antes da chegada da moda dos feriados à beira-mar, durante os quais a exposição ao sol é intensa. Isso mostra que melanomas
não são predominantemente causados pelo sol, mas por frequências de rádio.
Os gráficos estatísticos das taxas de mortalidade por câncer, bem como por diabetes e doenças cardiovasculares, subdivididos pelo grau de eletrificação de estados americanos em 1931 e 1940, são também muito explícitos, não deixando dúvida que seja que campos eletromagnéticos desempenham um papel no aumento do câncer.
Dados genuínos sobre tumores cerebrais é difícil encontrar, já que o lobby do telefone celular vem infiltrando esse campo por décadas para encomendar estudos tendenciosos. Um de seus estudos até mostra uma diminuição na incidência de tumores, correlacionando com o uso intensivo de telefones celulares!
Entretanto, a Universidade de Calgary encontrou evidência de um aumento de 30% na incidência de tumores cerebrais malignos no período de 2012 a 2013, e Lennart Hardell, professor de oncologia no Hospital Universitário de Örebro na Suécia, demonstrou que 2.000 horas de uso de telefone celular aumenta o risco de desenvolver um tumor a uma taxa de entre três e oito, dependendo da idade do sujeito e seus hábitos no
telefone.
Em 2000, Neil Cherry analisou as taxas de câncer de crianças em São Francisco em relação à distância entre sua casa e os transmissores de televisão e rádio FM na Sutro Tower. Crianças vivendo em morros ou cumes foram mais afetadas. Aquelas que viviam dentro de 1 Km da antena tinham uma incidência 9 vezes maior de leucemia, uma incidência 15 vezes maior de linfoma e uma incidência 31 vezes maior de câncer
cerebral – no total, uma taxa 18 vezes maior que aquelas vivendo fora daquel raio de 1 Km.

14.    Animação Suspensa

Um Tratado Prático em Exaustão Nervosa (1880) por George Miller Beard, o eletroterapeuta e amigo de Thomas Edison, contém uma intrigante observação: Embora essas dificuldades não sejam diretamente fatais, e assim não apareçam nas tabelas de mortalidade; embora, ao contrário, elas tendam a prolongar a vida e proteger o sistema contra doença inflamatória e febril, ainda o grau que elas causam de sofrimento é enorme.
Aqueles que mais sofreram pareciam bem jovens para sua idade. Ademais, Beard observou que uma doença rara parecia mais provável de afligir os sujeitos neurastênicos que o resto da população: essa doença era a diabetes. Beard já havia observado que o aumento na expectativa de vida não ia de mãos dadas com a qualidade de vida. A misteriosa correlação entre os sofrimentos de pessoas neurastênicas – cujos sintomas
eram os mesmos daqueles de pessoas eletro-hipersensíveis contemporâneas – e o prolongamento de suas vidas apontava para uma disfunção grave.
Além disso, há muito tempo tem-se observado que um estilo de vida ascético com uma dieta de baixa caloria pode aumentar a expectativa de vida e a saúde. Esse é o caso, por exemplo, com a população de Okinawa, onde o número de centenários é quarenta vezes maior do que aqueles na população de prefeituras mais ricas mais para o norte.
Pesquisadores no campo do envelhecimento salientaram que a força que dirige e sustenta nossas vidas é o sistema de transporte de elétron na mitocôndria de nossas células. É aqui que o ar que nós respiramos e o alimento que comemos são combinados, a uma taxa que determina nossa taxa de envelhecimento e, portanto,
nossa expectativa de vida. Enquanto a conquista da desaceleração do processo de combustão dentro de nossas células através da moderação da quantidade de energia entregue pode ser benéfica, uma outra forma de desaceleração pode inversamente ser desastrosa. Essa é a poluição da cadeia de transporte de elétron. Uma forma possível de ser envenenado é exposição crônica a campos eletromagnéticos artificiais. Essa poluição
sempre crescente sujeita os elétrons de nossas mitocôndrias a forças externas, esacelerando-as, privando nossas células de oxigênio e causando sintomas de EHS.

15.    Você quer dizer que pode escutar a eletricidade?

Em 1962, uma mulher contatou a Universidade de Santa Bárbara (CA, EUA) procurando por ajuda para encontrar a fonte do misterioso som que ela estava escutando em todo lugar em casa, embora ela vivesse em um silencioso distrito residencial. Esse som a estava mantendo acordada e era prejudicial para sua saúde.
Mensurações de fato mostraram que campos eletromagnéticos particularmente fortes estavam emanando de todos os condutores elétricos, não apenas da rede, mas também dos radiadores e outros elementos metálicos, ainda que o próprio estetoscópio não detectasse som algum.
O engenheiro realizou um experimento, gravando em fita os campos mensurados e tocando-os para a mulher afetada por aqueles barulhos. Ela confirmou que aquilo era o que ela estava ouvindo. Então, essa mulher era capaz de escutar os campos eletromagnéticos em seu ambiente. Instalações de aterramento e filtros eletrônicos foram instalados para reduzir perturbações a um nível aceitável.
No entanto, muito antes disso, Volta e outros pesquisadores já tinham conduzido experimentos nos quais eles tinham com sucesso produzir vários sons ao aplicar voltagem aos ouvidos. Muito mais tarde, no final
dos anos 1960, o biólogo Allan Frey publicou artigos sobre a habilidade de alguns sujeitos em ouvirem emissões de uma instalação de radar.
O modelo mecânico do funcionamento do ouvido como ensinado em escolas não fornece qualquer explicação para esses fenômenos observados. Notando isso, o bioquímico Lionel Naftalin desenvolveu um novo modelo do funcionamento do ouvido humano, levando em conta o bem conhecido fenômeno da piezo-eletricidade (uma força utilizada por eletro-técnicos), a qual ele descobriu no gel que cobre os cílios (cilia) do
ouvido interno. Nesse gel, que não se encontra em nenhum outro lugar no corpo humano e possui propriedades elétricas especiais, uma voltagem de 100 a 120 milivolts estava presente – o que é considerado alto no campo da bioeletrônica. Esse gel piezo-elétrico transforma ondas sonoras em um sinal elétrico que é comunicado para os cílios do ouvido interno. Esse novo, revisado modelo do funcionamento do ouvido humano
não apenas explica a habilidade de certos sujeitos para ouvir um sinal eletromagnético sob certas circunstâncias, mas também por que tanta gente dos dias modernos sofre de zumbido, e por que certos grupos de pessoas, contando de 2 a 10% da população do mundo, estão escutando um zumbido global pelo planeta todo.
Hoje, aproximadamente 44% dos adultos americanos sofrem de zumbido em vários níveis de intensidade, enquanto na Suécia o número de pessoas jovens afetadas era de 12% em 1997 e 42% em 2006. Esses sons parasitários são em grande parte o resultado de viver em um ambiente que é pesadamente poluído com todos os tipos de campos eletromagnéticos artificiais.

16.    Abelhas, Pássaros, Árvores e Humanos

Alfonso Balmori Marinez, um biólogo espanhol, correlacionou a densidade populacional de pardais com os valores de radiação de rádio-frequência em seus habitats. Pardais não podem sobreviver nos lugares mais irradiados, onde níveis excedem 3 V/m, enquanto existem ainda 42 pássaros por hectare a níveis de 0.1 V/m.
Ele também observou uma mudança notável no comportamento de cegonhas, segundo o que casais de cegonha lutarão ao invés de construir o ninho ou incubar os ovos se eles estiverem dentro de 200 m de uma torre de celular.
O Reino Unido classificou o pardal doméstico como como espécie ameaçada depois que sua população decresceu em 75% entre 1994 e 2002 – um período que coincidiu com a instalação de tecnologia de telefone celular.
Criadores de pombo-correio em vários continentes encontraram que, quando soltos, até 90% dos pombos falharam em encontrar seu caminho de volta para o pombal, enquanto essa porcentagem deveria normalmente ser mínima. Em 2000, criadores ingleses tentaram redirecionar uma raça de forma a evitarem torres de celular, para dar aos pombos uma melhor chance de voltar para casa com sucesso. Em 2004, aqueles
mesmos criadores encomendaram estudos mais abrangentes sobre o impacto das micro-ondas nos pombos.
Em 2002, o Serviço de Parque Nacional dos EU emitiram uma nota aos biólogos estudando comportamento animal selvagem, explicando que chips RFID presos àqueles animais para rastreá-los com frequências de rádio podem alterar radicalmente o comportamento deles devido às frequências de rádio geradas.
Em ambientes poluídos por campos eletromagnéticos, piscos não podem encontrar seus rumos para migração – enquanto quando eles estão em uma gaiola de Faraday eles são capazes de assim fazê-lo.
Um experimento com girinos de sapo criados em duas piscinas separadas dentro de 140 m de uma torre de celular, uma sem e outra com blindagem eletromagnética, mostrou taxas de mortalidade de 90% e 4% respectivamente.
Os mesmos tipos de efeitos danosos são encontrados em insetos quando eles estão expostos à poluição eletrônica que nós encontramos em uma base diária, e o Dr. Panagopoulus, que experimentou com moscas da fruta, relata que exposição a micro-ondas em níveis normais – mesmo por apenas alguns minutos por dia por poucos dias – é o pior estressante conhecido em nossas vidas diárias, pior até que químicos ou campos
eletromagnéticos de baixa frequência.
Abelhas estão também sendo negativamente impactadas, conforme vimos na Ilha de Wight no começo deste sumário. Dr. Daniel Favre (Suíça) demonstrou que na presença de micro-ondas abelhas emitem um som tipicamente audível quando elas formam enxame, o que sugere que os insetos querem escapar da fonte de emissão. O ácaro varroa é geralmente o culpado pela síndrome de colapso da colônia; no entanto, nós nos
esquecemos que esse ácaro tem coabitado com abelhas de longa data. Além do mais, pode ser observado com frequência que nos dias de hoje mesmo uma colônia morta não é infestada de parasitas, embora esse costumava ser o caso “antes”. O dedo da culpa também é nivelado nos pesticidas – ainda que, como vimos, 90% das abelhas na Ilha de Wight desapareceram sem quaisquer pesticidas sendo usados naquela área. A verdadeira causa de colapso da colônia é encontrado em campos eletromagnéticos gerados pelo homem, especialmente tecnologia de telefone celular.
Nos anos 1980, uma questão quente surgiu: a morte de florestas. Colocaram a culpa na chuva ácida – ainda que as mais remotas áreas com o ar mais limpo fossem igualmente afetadas. Pesquisas foram realizadas na Alemanha e Suíça, e apesar do solo nas áreas afetadas de fato provassem ser ácidos, observação e experimentação mostraram que tal acidez também podia ser o resultado da eletrólise lenta do solo via árvores expostas a ondas de radar, por exemplo. Além do mais, árvores em cumes foram mais severamente afetadas já que elas eram mais expostas aos novos radares instalados nos anos 1970.
Uma outra observação foi feita na época da queda do Muro de Berlin. Os gigantes radares russos em Skruda, que estavam pesadamente irradiando a região inteira em sua tarefa de monitor o Ocidente, não tinha só causado dano à floresta, mas também a animais e seres humanos. Depois de numerosos estudos, foi descoberto que os anéis de crescimento das árvores durante os anos quando os radares estavam operando eram muito menores do que daqueles de antes ou depois desse período.
Em Schwarzenburg na Suíça, uma antena de rádio de onda curta foi instalada em 1939, e o poder de transmissão foi subsequentemente aumentado para 450 kW em 1954. Isso foi seguido pela deterioração da saúde dos habitantes locais, que reclamaram de sintomas de EHS. As crianças da vila tinham dificuldades na escola e pareciam incapazes de avançar à educação superior, diferente de crianças menos expostas de vilas
vizinhas. Finalmente, em 1992, um estudo foi realizado que confirmou que, dentro de um raio de 900 m da antena, os parâmetros de análise fisiológica das pessoas e animais no local eram anormais. Também foi encontrado que os anéis de crescimento arbóreos foram comprimidos – mas apenas do lado virado para a fonte de radiação. Em 28 de março de 1998, o transmissor foi desativado e um estudo do “antes e depois” foi
realizado; ele demonstrou que os níveis de melatonina de 58 sujeitos testados tinham aumentado novamente.
Um aldeão de 50 anos de idade foi finalmente capaz de dormir por uma noite inteira sem interrupção pela primeira vez em sua vida. Em 29 de maio de 1996, Philippe Roch, diretor do Escritório para o Meio Ambiente, disse que existia “uma correlação provada entre desordens do sono e operações de comunicações”.

17.    No País dos Cegos

Quanto tempo mais nós temos que esperar antes de sermos capazes de dizer “Seu celular está me matando!” ao invés de “Eu sou eletro-hipersensível”? E ainda que o número de pessoas sofrendo de dores de cabeça devido ao uso de telefones celulares seja enorme. Em 2010, dois terços de estudantes universitários ucranianos entrevistados admitiram o fato de que não é socialmente aceitável discutir esse assunto abertamente. Gro Harlem Brundtland era EHS quando ela era chefe da Organização Mundial da Saúde. Ela era
bem aberta sobre o fato, mas foi forçada a renunciar de seu posto um ano depois. Isso desencorajou outras figuras públicas de alto escalão de seguir o exemplo dela.
Só uma minoria das pessoas sofrendo de poluição eletromagnética sabem do que elas estão sofrendo, enquanto a grande maioria não tem ideia. A população inteira está sendo eletrocutada por controle remoto e um alguém tem quase que se desculpar por ser eletro-sensível ou, para ser preciso, eletro-hipersensível, bem como se alguém tivesse que se desculpar por ser “hipersensível a cianeto”. Pois a verdade é que a eletricidade,
como está sendo normalmente utilizada, é tóxica. Além do mais, gráficos estatísticos mostram claramente um aumento na taxa de mortalidade dos habitantes de nove cidades americanas logo depois que as primeiras estações base de rádio foram colocadas em operação. Esta mortalidade aumentada varia de 25 a mais de 80%.
Uma enquete conduzida por um jornal diário, que pediu aos nova-iorquinos relatarem se eles tinham começado a sofrer de um número de sintomas de EHS depois de 15 de novembro, 1996, colheu centenas de testemunhos de uma vasta gama de classes sociais e raciais. A data em questão foi o dia quando a primeira rede de telefone celular entrou em operação.
A Força Tarefa do Telefone Celular, uma organização iniciada por Arthur Firstenberg em 1996, está inundada com pedidos de ajuda para pessoas prejudicadas por micro-ondas de rádio frequências. Tantos emissores de todos os tipos proliferam – de WiFi, WiMAX, estações de radar e irradiação emitida do céu por satélites de telecomunicações, que parece como se logo não haverá lugar para onde escapar.
Prof. Olle Johansson do prestigiado Instituto Karolinska, que é famoso por conceder o Prêmio Nobel de Medicina, focou em demonstrar os efeitos da poluição eletrônica em organismos vivos desde 1977. O sucesso de seus estudos o levou a ser marginalizado em seu instituto, o financiamento para sua pesquisa desaparecendo e ele recebendo ameaças de morte; em uma ocasião, ele por pouco escapou um atentado contra sua vida através da sabotagem da sua motocicleta. Apesar de tudo, ele continua a informar o mundo da verdade para defender, entre outros, aqueles sofrendo de EHS, cujas vidas se tornaram um inferno na terra. Ele é revoltado pelo modo como os governos dos países chamados “democráticos” simplesmente abandonaram as vítimas de frequências de rádio à sua própria sorte.
Dr. Erica Mallery-Blythe, que tem nacionalidade dupla americana e britânica, completou seus estudos em 1998. Em 2007, depois de seguir seu marido, piloto de F-16, até os EUA, ela ficou severamente afetada por EHS sem perceber isso. Suas pesquisas na internet finalmente a permitiram entender o que estava acontecendo com ela. Como médica, ela ficou pasma quanto a como uma condição profunda e incapacitante podia existir sem ela nunca ter ouvido isso em sua profissão. Para tranquilizar sua mente, ela decidiu passar por um teste de ressonância magnética para descartar o risco de câncer cerebral. Ela acreditava que sua morte era iminente quando as pulsações de alta frequência foram mobilizadas, mas recuperou saúde e vitalidade plenas no Vale da Morte, longe das frequências de rádio. Desde então, ela tem se dedicado a informar e ajudar os 5%
(pelo menos) da população que são EHS e têm sido totalmente abandonados pelas autoridades.
Yury Grigoriev, que é geralmente considerado como o avô da pesquisa eletromagnética na Rússia, é extremamente preocupado com as pessoas jovens acima de tudo, e afirmou que esta é a primeira vez na história da humanidade que os cérebros das pessoas estão sendo abertamente expostos a micro-ondas – o que é extremamente sério aos olhos do radiobiólogo. Em particular, ele cita um estudo coreano que mostra que o transtorno por déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) nas crianças está conectado ao uso de telefones celulares.
No final dos anos 1990, o neurocirurgião Leif Salford e sua equipe provaram que telefones celulares tornam permeável a barreira sangue-cérebro, causando a doença de Alzheimer. Em 2003, eles mostraram que uma única exposição de apenas duas horas causa dano permanente ao cérebro.
Em 2015, cientistas turcos irradiaram ratos por uma hora por um mês, utilizando ondas de telefone celular típicas. Os ratos irradiados tinham 10% menos células cerebrais do que aqueles que tinham pulado o tratamento. A mesma equipe experimentou em ratas prenhas por 9 dias com o mesmo nível de radiação. A progenitura das ratas mostrou degeneração no cérebro, medula espinhal, coração, rins, fígado, pâncreas, timo
e testículos. O mesmo experimento repetido em jovens ratos causou atrofia da medula espinhal junto com a diminuição da mielina, como aquela vista em esclerose múltipla.
Em setembro de 1998, os primeiros 66 satélites para telefonia espacial entraram em operação, causando um aumento na taxa de mortalidade nos EUA de aproximadamente 5% nas duas semanas subsequentes. Durante o mesmo período, foi observado que pássaros não estavam mais voando e que pessoas EHS ficaram particularmente doentes. Hoje, aproximadamente 1.100 satélites artificiais voom sobre nós, mas várias companhias – Google, Facebook, SpaceX, OneWeb e Samsung – estão planejando cada lançar até 4.600 novos satélites de comunicações até 2020, para cobrir o planeta inteiro com acesso à internet de alta velocidade.
Em 1968, mesmo a pequena frota de 28 satélites militares precipitou uma pandemia gripal mundial.
Diferente de uma antena no chão, cuja radiação é altamente atenuada quando alcança a magnetosfera, satélites agem diretamente nela através de mecanismos que ainda são mal compreendidos, dessa forma comprometendo a vida na Terra. Nós nos esquecemos dos avisos de Ross Adey, o avô da bioletromagnética, e do físico atmosférico Neil Cherry, que somos eletricamente regulados pelo mundo que nos cerca e que o nível seguro de exposição a radio frequências é consequentemente zero. Essa iniciativa potencialmente catastrófica deve ser contraposta e a organização abrindo o caminho é a União Global Contra Implantação de Radiação vinda do Espaço (GUARDS; www.stopglobalwifi.org/).
Em 2014, o médico Tetsuharu Shinjyo publicou um estudo “antes e depois”. Ele avaliou a saúde de 122 habitantes de um prédio no qual antenas de estação base de rádio tinham sido instaladas. Vinte e um sofreram de fadiga crônica, 14 de tontura ou doença de Menière, 14 de dores de cabeça, 17 de dor nos olhos ou infecções, 14 de insônia e 10 de hemorragias nasais crônicas. Cinco meses depois das antenas serem removidas, apenas 2 casos de insônia, 1 caso de vertigem e 1 caso de dores de cabeça permaneceram!
Essa emergência de direitos humanos, que afeta centenas de milhões de pessoas em uma escala planetária, e a emergência ambiental que ameaça a extinção de incontáveis espécies de plantas e animais deve ser enfrentada com resolução lúcida e inabalável.

* * * * * * * * * * *

Faça aqui o download do resumo em PDF: O Arco-íris Invisível – Resumo Informativo

Can you translate into other languages?
If you can, please contact:
invisiblerainbowtranslation@protonmail.com